Diminuir letra Aumentar letra
NOTÍCIAS

09/11/2018
Segundo estudo, diabetes pode dar sinais 20 anos antes do diagnóstico

diabetes_3.jpg

Crédito da imagem: ProDiabeticos

Apresentada no Encontro Anual da Associação Européia para o Estudo do Diabetes (EASD) em Berlim, na Alemanha, em outubro, a pesquisa mostra que os primeiros sinais de diabetes tipo 2 podem ser identificados mais de 20 anos antes do diagnóstico.

Realizado no Japão, o estudo rastreou, entre 2005 e 2006, mais de 27.000 adultos não diabéticos, com idade média de 49 anos, e descobriu que o aumento da glicose em jejum, maior índice de massa corporal (IMC) e sensibilidade à insulina foram detectados até 10 anos antes do diagnóstico de diabetes ou pré-diabetes.

Conforme Dr. Hiroyuki Sagesaka, líder do trabalho, os achados sugerem que os marcadores metabólicos elevados para o diabetes são detectáveis, portanto, mais de 20 anos antes do diagnóstico.

Para tanto, os pesquisadores avaliaram as trajetórias da glicemia em jejum, IMC e sensibilidade à insulina em indivíduos que desenvolveram diabetes e de pré-diabetes separadamente. 

No início do acompanhamento, 27.392 pessoas não diabéticas tiveram glicemia de jejum e glicemia média (HbA1c) mensurados e foram observadas até o diagnóstico de diabetes tipo 2 ou pré-diabetes, o que ocorresse primeiro.

Durante o período de análise, 1.067 novos casos de diabetes tipo 2 foram identificados. Os resultados mostraram que, em média, vários fatores de risco foram mais comuns entre os indivíduos que desenvolveram diabetes tipo 2 em comparação com aqueles que não desenvolveram.

Em particular, o IMC, a glicemia em jejum e a resistência à insulina aumentaram até 10 anos antes do diagnóstico. Essas diferenças aumentaram também com o tempo.

Dos 15.778 indivíduos com glicemia normal no exame inicial de saúde, 4.781 desenvolveram pré-diabetes durante o período do estudo, e as mesmas anormalidades, embora em menor grau, estiveram presentes pelo menos 10 anos antes do diagnóstico de pré-diabetes.

De acordo com os autores, a pesquisa traz implicações importantes, já que cerca de 425 milhões de adultos (com idades entre 20 e 79 anos) eram diabéticos em 2017 - dado que deve aumentar para 629 milhões até 2045. Eles acreditam que, talvez, seja preciso intervir muito tempo antes do estágio pré-diabetes para evitar a progressão para diabetes, seja através de medicação ou de mudanças no estilo de vida.