Diminuir letra Aumentar letra
NOTÍCIAS

09/09/2018
Relatório aborda a importância de tirar férias para a saúde do coração e a longevidade

relaxar.jpg

Crédito da imagem: Thinkstock

Um relatório publicado no Journal of Nutrition, Health & Aging destaca que tirar férias pode ser importante para proteger a saúde cardiovascular e prolongar a longevidade. Conforme os autores, pessoas que sofrem de estresse em longo prazo e tiram menos tempo de férias por ano correm um risco maior de morrer ainda jovens. 

 

Intitulado "Aumento da mortalidade apesar da redução do risco cardiovascular multifatorial bem-sucedido em homens saudáveis. Acompanhamento de 40 anos do teste de intervenção do estudo de empresários de Helsinque", o levantamento incluiu a análise dos dados de saúde de mais de 1.200 empresários, coletados ao longo de quatro décadas.

 

No início da pesquisa, por volta de 1970, todos os participantes estavam na faixa dos 50 anos e apresentavam, pelo menos, um dos seguintes fatores de risco para doença cardiovascular: tabagismo, pressão alta, colesterol alto, triglicerídeos elevados, diabetes ou excesso de peso.

Os voluntários foram, então, divididos em dois grupos, o primeiro de controle e o segundo de intervenção, no qual foram aconselhados a se exercitar, a comer corretamente, manter um peso saudável e parar de fumar. Alguns dos participantes do segundo grupo também receberam medicamentos.

No final do estudo, o risco de doença cardiovascular caiu 46% no grupo de intervenção em comparação com o grupo controle, o que já era esperado pelos pesquisadores. 

No entanto, no grupo de intervenção, os homens que tiraram menos de três semanas de folga do trabalho por ano foram 37% vezes mais propensos a morrer ainda jovens, apesar de todas as medidas de qualidade de vida indicadas para estes participantes. 

Na visão dos autores, o resultado sugere que seguir uma dieta saudável e um estilo de vida equilibrado não é suficiente para compensar os niveís de estresse por trabalhar demais. Os homens que tiraram menos férias tiveram baixa qualidade do sono, o que tem sido associado a efeitos complexos, como memória prejudicada e ganho de peso.

Os pesquisadores alertam que as descobertas do estudo não devem desanimar as pessoas sobre os cuidados com a saúde e a adoção de hábitos saudáveis.

Com informações de HuffPost.