Diminuir letra Aumentar letra
NOTÍCIAS

27/11/2018
Ministério da Saúde assina acordo para reduzir açúcar em alimentos industrializados

biscoito.jpg

Crédito da imagem: Gisele Tesser/Guia de Cozinha

Foi anunciada ontem, 26 de novembro, a assinatura de um acordo para a redução de 144 mil toneladas de açúcar em alimentos industrializados no Brasil até 2022. Ao todo, 68 empresas estão envolvidas no acordo e 1.147 produtos devem ter a quantidade de açúcar reduzida.

O compromisso firmado entre o Ministério da Saúde e a indústria de alimentos e bebidas é pioneiro. De acordo com o órgão, o acordo é semelhante ao adotado para a redução do sódio, que diminuiu mais de 17 mil toneladas de sódio dos alimentos processados em quatro anos. 

A Organização Mundial de Saúde sugere um consumo diário de açúcar de até 50g, o equivalente a apenas 10% das calorias ingeridas todos os dias. O brasileiro consome 50% a mais do que a meta proposta pela OMS: 80 gramas por dia. Deste total diário, 36% dos açúcares são provenientes de alimentos industrializados. 

A indústria deverá cumprir algumas metas de redução, especialmente em produtos que adicionam açúcar em quantidade acima da média - 48% dos alimentos incluídos no acordo estão acima da média indicada pela OMS. Um exemplo são os biscoitos, cuja meta é diminuir o açúcar em 62%. 

O Ministério da Saúde divulgará tabelas específicas de redução de açúcares para cada segmento alimentício. Conforme o ministro Gilberto Occhi, reduzir 144 mil toneladas tem o objetivo de conscientizar a população e evitar doenças como diabetes e hipertensão.

O acordo prevê ainda, que o açúcar cortado dos alimentos não seja substituído por adoçantes ou gorduras. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária será a responsável por monitorar a redução e fará a fiscalização a cada dois anos.

Para estabelecer as metas previstas no acordo, o Ministério da Saúde analisou critérios que envolvem desde o consumo e distribuição dos teores de açúcar dos alimentos até a necessidade de redução dos níveis máximos do alimento. O órgão tem a intenção de, no futuro, firmar um novo acordo para a redução dos teores de gordura dos alimentos.