Diminuir letra Aumentar letra
NOTÍCIAS

15/03/2010
Fatores de risco cardiovascular em pacientes com psoríase

Segundo uma apresentação de pôsteres realizada no 68º encontro anual da American Academy of Dermatology, pacientes com psoríase moderada a grave apresentam altas taxas de fatores de risco cardiovascular não diagnosticados.

“Sabemos, por estudos anteriores, que pacientes com psoríase tendem a apresentar uma elevação nos riscos de hiperlipidemia, hipertensão e diabetes. Nós também sabemos que pacientes com doenças dermatológicas em geral são carentes em relação às suas necessidades de tratamento primário”, a autora principal, Dra. Alexa Kimball, da Harvard Medical School, em Boston, contou à Reuters Health.“A verdadeira questão é, se eles são carentes de uma perspectiva de tratamento primário, nós estamos subestimando a verdadeira prevalência dessas condições nos pacientes com psoríase?”.

Para abordar essa questão, a Dra. Kimball e seus colaboradores estudaram dados de 2.899 pacientes, reunidos de três ensaios randomizados de fase II, sobre o ustekinumab para a psoríase em placa – PHOENIX 1, PHOENIX 2 e ACCEPT.

Quando compararam as histórias médicas iniciais dos pacientes e os resultados laboratoriais iniciais, os pesquisadores descobriram que 18% tinham diabetes não diagnosticado, 25% hipertensão não diagnosticada e 19% hiperglicemia não diagnosticada.

Além disso, mesmo pacientes que sabiam-se portadores dessas condições eram subtratados: utilizando diretrizes publicadas como padrão, apenas 38,4% dos diabéticos (96 de 250) apresentaram níveis-alvo de HbA1C; somente 51,6% dos pacientes hipertensos (383 de 741) tinham pressões arteriais de 140/90 ou menos, e apenas 50,9% dos pacientes de alto risco com doença cardíaca coronariana estavam em um nível-alvo de lipoproteína de baixa densidade de 100 mg/dL.

“Nos últimos anos, temos tentado aumentar a conscientização sobre as comorbidades associadas à psoríase e fizemos alguns progressos. Mas temos que continuar tentando aumentar essa conscientização.

Quando os pacientes batem à nossa porta e não nos contam seus problemas de saúde, isso não significa que eles não os possuam”, alegou a Dra. Kimball. “Precisamos descobrir como, em nossos consultórios lotados, rastreá-los e encaminhá-los para um tratamento apropriado. Ter certeza de que as informações de triagem em saúde desses pacientes estão atualizadas”.

O Dr. Alan Menter, chefe de dermatologia e diretor da unidade de pesquisas dermatológicas do Baylor University Medical Center, em Dallas, Texas, contou à Reuters Health que os dermatologistas também precisam trabalhar como médicos generalistas, sempre à procura de comorbidades em seus pacientes com psoríase.

“Esses resultados devem alertar os dermatologistas sobre a necessidade de trabalhar com seus colegas de clínica geral e tratamento primário e reconhecer que a psoríase é uma doença sistêmica associada a essas condições, que colocam os pacientes em risco para doença cardiovascular”.


Autora: Fran Lowry