Diminuir letra Aumentar letra
NOTÍCIAS

19/09/2013
Energético em excesso pode prejudicar o coração

energetico.jpg

A bebida contém muita cafeína, que aumenta a frequência cardíaca e a pressão arterial

Por conter muita cafeína, quando ingerido em grande quantidade, o energético acelera o coração e aumenta o risco cardiovascular

O alerta vem de um estudo do Hospital Mount Sinai, nos Estados Unidos. De acordo com ele, o consumo frequente de 250 mililitros desse tipo de bebida induz coágulos nos vasos sanguíneos. Composto por cafeína e outros estimulantes, como ginseng e guaraná, ele faz o coração bater muito rápido.

Conforme o Serviço de Administração em Abuso de Substâncias e Saúde Mental norte-americano, entre 2007 e 2011 o consumo deste tipo de bebida aumentou em 279% o número de indivíduos com mais de 40 anos que procuraram atendimento médico após a ingestão.

Em 2011, quase 60% desses atendimentos emergenciais estavam associados somente ao uso dos energéticos, sem combinação com outras bebidas alcoólicas ou substâncias químicas.

O principal problema para complicações é não respeitar os limites do organismo. Adultos podem ingerir no máximo 2,5 miligramas de cafeína por quilo de peso. Uma mulher de 60 quilos, por exemplo, precisaria parar nos 150 miligramas. No entanto, em enegéticos, a quantidade de cafeína varia de 80 até 500 miligramas.

A cafeína instiga o sistema nervoso simpático a liberar hormônios estimulantes, como adrenalina e noradrenalina, o que aumenta a frequência cardíaca e o estreitamento dos vasos sanguíneos, fazendo a pressão decolar. 

Em pessoas com problemas prévios nas artérias - muitas vezes silenciosos -, o efeito eventualmente serve como estopim para um infarto ou derrame.? Quando há um histórico de doença cardíaca, a aceleração dos batimenos, conhecida como arritmia, pode ser fatal.

O rótulo da bebida, portanto, deve ser bem observado, a fim de conferir a quantidade de cafeína por lata, especialmente por quem tem 40 anos ou mais.

Além dos fatores de risco como pressão alta, obesidade, tabagismo e dieta inadequada, a herença genética também deve ser considerada quando se trata da saúde do coração.