Diminuir letra Aumentar letra
NOTÍCIAS

14/11/2013
Diabetes aumenta risco de infarto

coração-diabetes.jpg

Os riscos de um diabético sofrer infarto chegam a 40% nos homens e 50% nas mulheres

O Dia Mundial do Diabetes, celebrado em 14 de novembro, tem o objetivo de conscientizar a população sobre as causas e os riscos da doença.

O portal Doutor Coração aproveita a data para fazer um alerta relacionado ao motor do nosso corpo: o risco de um diabético sofrer um infarto chega a 40% nos homens e a 50% nas mulheres.

Esta propensão significativamente maior ocorre porque o diabetes potencializa outras condições de risco, como a pressão alta e o colesterol elevado.

O diabetes é uma síndrome metabólica de origem múltipla, decorrente da falta de insulina e/ou da incapacidade de a insulina exercer adequadamente seus efeitos, causando um aumento da concentração da glicose (principal forma de energia das células) no sangue.

Isso pode ocorrer durante a digestão de carboidratos contidos em alimentos como farinhas, massas, pães, batata, mandioca, doces e açúcares. Após o processo digestivo, a glicose circula no interior dos vasos, sendo distribuída por todas as células do corpo para se transformar em energia. Para entrar nas células, ela depende da insulina, hormônio produzido no pâncreas.

O diabetes acontece porque o pâncreas não é capaz de produzir o hormônio insulina em quantidade suficiente para suprir as necessidades do organismo (diabetes tipo 1), ou porque este hormônio não é capaz de agir de maneira adequada, forma mais frequente da doença em adultos (diabetes tipo 2).

Ao se instalar no organismo, as células não absorvem a glicose como deveriam, pois a insulina não está agindo corretamente. Dessa forma, a glicose e a insulina excedentes sobram nos vasos. O acúmulo aumenta a formação de placas de gordura que, por sua vez, podem entupir vasos ligados a órgãos como coração, cérebro e membros inferiores, causando infarto ou AVC. Em muitos casos, o infarto ocorre antes de o paciente apresentar sintomas e o diabetes ser diagnosticado.

As doenças cardiovasculares estão entre as causas mais frequentes de morte no Brasil. E, evitar o diabetes, protege também o coração. Para prevenir a doença, é necessário avaliar a presença de fatores de risco, como tabagismo, excesso de gordura abdominal, hipertensão, sedentarismo, dieta pobre em fibras e história de diabetes na família.

Quando esses fatores existem, o acompanhamento com um profissional de saúde promove uma melhora gradual no estilo de vida e reduz o risco de desenvolver a doença em cerca de 60%. Em pessoas com diabetes, a orientação ajuda a reduzir a gordura abdominal e a controlar melhor os níveis de pressão, colesterol e glicose, diminuindo os riscos de infarto e de AVC. Já para quem não desenvolveu nenhum fator de risco, o ideal é seguir uma boa alimentação e uma rotina de exercícios físicos para manter distância do diabetes.

Segundo a Federação Internacional de Diabetes (IDF, em inglês), existem 371 milhões de diabéticos entre os adultos de todo o mundo. A maioria dos casos se refere ao tipo 2 da doença, passível de ser evitado com medidas como o combate a obesidade e o sedentarismo.

Ainda de acordo com a IDF, há 13,4 milhões de diabéticos no Brasil (tipo 1 e 2). O país ocupa o quarto lugar no mundo em número de casos, atrás apenas da China, Índia e Estados Unidos, respectivamente.