Diminuir letra Aumentar letra
NOTÍCIAS

08/02/2019
Comer frituras aumenta o risco de morte

Shutterstock_4.jpg

Crédito da imagem: Shutterstock

Realizado na Universidade de Iowa, nos Estados Unidos, e publicado no British Medical Journal, o estudo afirma que mulheres que adicionam porções diárias de alimentos fritos à refeição apresentam maior risco de morte por qualquer causa, exceto câncer.

 

Segundo os autores, outras pesquisas já comprovaram os riscos de ingerir alimentos fritos, mas este estudo demonstra a relação entre o consumo de frituras e a mortalidade geral. Uma porção regular de frango frito, conforme os resultados, eleva o risco de morte em 13%, enquanto pescados, como peixe e marisco, em 7%.

 

O estudo foi baseado na análise dos hábitos alimentares de 107.000 mulheres, com idades entre 50 e 79 anos, acompanhadas durante 18 anos. 

 

Entre 1993 e 1998, fase de inclusão das participantes na pesquisa, as voluntárias forneceram informações alimentares que incluíam a frequência e a porção com que 122 alimentos eram consumidos. Estavam na lista frango e peixe fritos, batatas fritas, tortillas e tacos. 

 

Também foram considerados fatores como nível de escolaridade, renda, consumo total de energia e qualidade geral da dieta, aspectos ligados à mortalidade. 

 

A análise mostrou que as mulheres que ingeriam uma ou mais porções de alimentos fritos por dia tinham um risco 8% maior de morte por todas as causas, incluindo àquelas relacionadas ao coração. Os pesquisadores ressaltam, no entanto, que alguns alimentos são muito mais preocupantes.

 

É o caso, por exemplo, do frango frito. Comer frango frito representou m risco 13% maior de morte por qualquer causa e 12% maior para causas ligadas ao coração. Para o peixe frito, os números foram 7% e 13%, respectivamente. A única causa de morte descartada pelo estudo foi câncer. 

 

Ainda que os resultados da pesquisa tenham sido descobertos em mulheres acima dos 50 anos, os pesquisadores acreditam que eles podem ser aplicados à população em geral. 

 

A equipe explica, ainda, que a forma com que é preparado, o tipo de óleo utilizado e se o consumo é feito em casa ou em restaurantes, impactam na qualidade do alimento. Por ser observacional, também não foi possível determinar causa e efeito dos resultados encontrados.

 

Para proteger a saúde e reduzir os riscos, a sugestão dos especialistas é controlar o tamanho das porções e reduzir a frequência de consumo, em particular de frango e peixe fritos.