Diminuir letra Aumentar letra
NOTÍCIAS

20/11/2018
Aplicativo de celular pode ter precisão semelhante ao eletrocardiograma

AliveCorjpg.jpg

Crédito da imagem: Intermountain Medical Center/Divulgação

Entre os benefícios da tecnologia, os autores acreditam que, com o suporte do aplicativo, pessoas sem acesso a exames tradicionais poderiam monitorar seu coração. 

Liderado por pesquisadores do Instituto do Coração Intermountain Medical Center em Salt Lake City, nos Estados Unidos, o estudo descobriu que um aplicativo de smartphone é capaz de monitorar a atividade cardíaca e determinar um infarto com precisão semelhante a de um eletrocardiograma – exame utilizado para diagnosticar ataques cardíacos. 

Segundo os autores, a descoberta é significativa porque a velocidade do tratamento é determinante para salvar a vida do paciente após um infarto. 

No estudo, 204 pacientes com dor no peito receberam dois diagnósticos: um proveniente de eletrocardiograma padrão de 12 derivações e outro do aplicativo AliveCor, que é administrado pelo celuar com um acessório de dois fios. 

Os pesquisadores constataram que, nesta configuração - aplicativo e acessório -, o dispositivo é eficaz na distinção de infarto do miocárdio com precisão e sensibilidade comparável ao eletrocardiograma tradicional. J. Brent Muhlestein, principal autor do estudo, destacou que, além da eficácia no diagnóstico, o aplicativo não indicou a presença de ataque cardíaco que não estivesse de fato ocorrendo.

Os pesquisadores apresentaram os resultados do estudo na Sessão Científica de 2018 da Associação Americana do Coração, em Chicago. 

Um ecocardiograma típico tem 12 derivações, o que melhora a precisão de um diagnóstico – os ataques cardíacos ocorrem em diferentes partes do coração e cada receptor examina uma parte diferente. Com o aplicativo, os dois cabos são movidos ao redor do corpo para registrar as 12 partes. 

Ainda de acordo com Muhlestein, entre as vantagens do aplicativo está a potencialidade de acelerar o tratamento urgente que o paciente precisa receber depois de sofrer um infarto. A tecnologia pode ser útil também para pessoas que desconhecem seu risco cardiovascular e, por acreditar que não seria algo grave, não procurariam um hospital ao sentir desconforto no peito. 

Em locais remotos, os resultados do aplicativo poderiam ser encaminhados imediatamente a um cardiologista que informaria a necessidade de procurar um hospital com urgência – com a possibilidade de a equipe médica e a sala cirúrgica estarem prontas para receber o paciente na unidade de saúde.